DOI: https://doi.org/10.16925/di.v17i21.977

O direito como regulador do discurso ideológico da fraternidade em uma soiedade pós-liberal

Adilson Silva-Ferraz

Resumen


O objetivo deste artigo é demonstrar que há um abismo entre a fraternidade em seu sentido utópico (ideal) e seu sentido prático (real). O sentido utópico é frequentemente tomado como fundamento do sentido prático e pode ser manipulado discursivamente para qualquer fin prático, inclusive contra os direitos humanos. Denominamos isso de “discurso ideológico da fraternidade”. Para isso, explicamos que a fraternidade existe dialeticamente e é retoricamente defiida como outros fenômenos. A dialética explica a fraternidade a partir da ideia de “abertura fraterna”, um fenômeno existencial que atua no reconhecimento mútuo entre os sujeitos e na ressignifiação da alteridade. Em seguida, apresentamos a tese principal: a inclusão da fraternidade como elemento jurídico pode ajudar a impedir o discurso ideológico do próprio direito (quando este se volta contra os direitos fundamentais) e servir como barreira de contenção ao discurso ideológico da fraternidade moral, embora haja sempre o risco de esta ser utilizada para aprofundar o abismo entre a utopia e a prática tornando-se
um mecanismo jurídico de opressão social.


Palabras clave


direito, fraternidade, ideologia, moral, utopia

Texto completo:

PDF (Português (Brasil))
comments powered by Disqus

Métricas de artículo

Cargando métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Contacto

Contactenos

Línea gratuita nacional

01 8000 420101

Dirección

Cra 42 No. 49-95, Bloque 8
Medellín - Antioquia - Colombia

Teléfono

(57) (4) 444 60 65

Revista en OJS implementada por Biteca Ltda.