O cooperativismo e a função social constitucional da cooperação nas constituições da Itália e do Brasil

Contenido principal del artículo

Candida Joelma

Detalles del artículo

Sección
Artículo de Investigación

Resumen

O presente estudo tem por objetivo demonstrar os fundamentos da cooperação moderna, sempre presente nas relações humanas desde sua necessidade de sobrevivência. Tem-se que essa mesma cooperação configura-se como uma vivência existente no cerne do cooperativismo mundial, diretamente ligada à sua origem, à sua constituição como movimento social; contudo, mais ainda relacionada à sua durabilidade e à continuidade na importância econômica historicamente percebida. Ademais aliada a este ideia, apresentar-se-á a destaca importância dela nas Constituições italiana e brasileira, em especial incentivo ao cooperativismo nesses países. Desta forma, verifica-se que cooperar é trabalhar de forma sincronizada em busca do mesmo objetivo; sua prática, educa, desenvolvendo nas pessoas um senso participativo, humano e solidário. Nesse sentido, e buscando enfrentar os elementos de controle do problema e dos marcos teóricos bem como o conjunto de conceitos e relações explorados, o trabalho foi dividido em quatro itens desde a introdução, a primeira parte especificamente sobre a cooperação em si, a segunda sobre as elencadas Constituições e por fim, as considerações finais.

1. Axelrod, R. (1984). The evolution of the cooperation. New York: Library of Congress.

2. Bagnoli, L. (a cura di). (2011). La funzione sociale della cooperazione.Teorie, esperienze e prospet-tive. Carocci, Roma.

3. Benato, J. V. A. (1995). O ABC do Cooperativismo. 2.ed. São Paulo: ICA- OCESP.

4. Blanco, J. M. (1990). El retorno cooperativo. Zaragoza, España: Librería General.

5. Boarati, V. (2006). Economia para o Direito. Barueri, SP: Manole.

6. Bonfante, G.; Ciuffoletti, Z.; Innocenti, M.; Sapelli, G. (1981). Il movimento cooperativo in Italia. Storia e problemi. Torino, Itália: Einaudi.

7. Bragadin, S. M. (Org.). (2005). Imprese e cooperative a confronto: regime differenziati e implicazioni sul mercato. Genova, Itália: Lindau.

8. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. (2003). Brasília: OAB.

9. Braudel, F. (2006). Civiltà materiale, economia e capitalismo.Le strutture del quotidiano (secoli XV-XVIII). Torino, Itália: Einaudi.

10. Bruni, L. (2006). Reciprocità. Dinamiche di cooperazione, economia e società civile. Milano, Itália: Bruno Mondadori.

11. Bulgarelli, W. (1998). As sociedades Cooperativas e sua disciplina jurídica. Rio de Janeiro: Renovar.

12. Cohen, J. (1989). Deliberation and democratic legitimacy, in The good polity. Oxford: A. Hamlin.

13. Coraggio, J L. (2011). Economía social y solidaria. El trabajo antes que el capital. Quito (Ecuador): Abya Yala.

14. Cunha, F. W. (1990). Direito Constitucional do Brasil. Rio de Janeiro: Renovar.

15. Di Marco, I.; De Pascale, R. (a cura di). (2013). Studio sulle Cooperative. Disciplina giuridica e ca-se-study. Commissione Nazionale UNGDCEC.

16. Directiva 2003/72/CE. (2003). Estados Unidos.

17. Regulamento n° 1435/2003. Estatuto da sociedade cooperativa europeia (SCE). 2003.

18. Filippini, M. (a cura di). (2014). Politica e discipline della cooperazione. Bologna, Itália. “Scienza & Politica”, introduzione e cura di, vol. 26, n. 50, pp. 1-93, 213-225.

19. Frau, M. (2010). La Coop non sei tu. La mutazione genética dele coop: dal solidarismo alle scalate bancarie. Firenze, Itália: Riuniti.

20. Costituzione della repubblica italiana. Codici e leggi d’italia. Luigi Franco , Virgilio Feroci e Santo Ferrari. Milano, Editore Ulrico Hoepli, 1994.

21. Costituzione della repubblica italiana. Corte costituzionale. Disponível em http://www.cortecosti-tuzionale.it/actionPronuncia.do. Acesso em: 14 de abril de 2020.

22. Krueger, G. (2002). A disciplina das cooperativas no Novo Código Civil- a ressalva da lei 5.764/71. In: Becho, R.. Problemas atuais do Direito Cooperativo. São Paulo: Dialética. p. 96-119.

23. Marx, K. (1988). O Capital:Crítica da economia política. Livro 1º, tomo 2, 3ª ed. São Paulo: Nova Cultural.

24. Mauad, M. (2001). Cooperativas de trabalho. Sua relação com o direito do trabalho. 2.ed. Revista e atualizada. São Paulo: LTR.

25. Meinen, Ê.; Domingues, J. N.; Domingues, J. A. S. (2002). Aspectos Jurídicos do cooperativismo.Porto Alegre: Sagra Luzzatto.

26. Namorado, R. (2005). Cooperativismo -Um horizonte possível. In: Gediel, J. (org). Estudos de Direito Cooperativo e Cidadania.Curitiba: Programa de Pós Graduação em Direito da UFPR.

27. Namorado, R. (2013). O mistério do Cooperativismo. Coimbra: Almedina.

28. Nisbet, R. A. (1968). Cooperation. In: SILLS,David L. (ed) International Encyclopedia of the Social Sciences. VOL 3. New York: Macmillan and the Free Press.

29. Ramírez, B. (1989). Teoría y doctrina de la cooperación. Bogotá: Esacoop/ Fondo Nacional Universitario.

30. Salani, M. P. (org.). (2006). Lezione Cooperative: contributo ad una teoria dell’impresa cooperativa.Bologna, Itália: Società Editrice Il Mulino.

31. Salani, M. P. (2008). Nueve Lezioni cooperative. Bologna, Itália: Società Editrice Il Mulino.

32. Sapelli, G. (2006). Coop: il futuro dell’impresa cooperativa. Torino, Itália: Giulio Einaudi.

33. Shaffer, J. (1999).Historical Dictionary of the Cooperative Movement. London: The Scarecrow.

34. Torres e Torres Lara, C. (1983). Cooperativismo -el modelo alternativo.Estudios sobre su ideología, instituciones y técnicas. Lima: Dirección de Proyección social.

35. Totomianz, V. (1938). Manual do Cooperativista. Porto: Imprensa Social.

36. Totomianz, V. (1938). Manual do Cooperativista. Porto: Imprensa Social.

37. Vella, M. (2010). Oltre il motivo del profitto.Storia, economia, gestione e finanza delle imprese coo-perative italiane. Siena, Itália: Maggioli.

38. Viola, F. (2004).Forme della cooperazione. Bologna, Itália: Il Mulino.

39. Zamagni, S. (2002). L’economia delle relazioni umane: verso il superamento dell’individualismo assiologico. In:SACCO, P. Luigi. (a cura di). Complessità relazionale e comportamento econo-mico. Bologna, Itália: Il Mulino.

40. Zamagni, V. (2006). L’Impresa cooperativa italiana:dalla marginalità alla fioritura. Bologna, Itália: Unisiversità di Bologna.