Educación cooperativa Profundizando el concepto

Contenido principal del artículo

Palloma Rosa Ferreira
Diego Neves de Sousa

Detalles del artículo

Palloma Rosa Ferreira, Universidade Federal de Viçosa

Graduada em Gestão de Cooperativas, Mestre em Extensão Rural e Doutoranda em Economia Doméstica, pela Universidade Federal de Viçosa-Universidade Federal de Viçosa, Brasil.

Diego Neves de Sousa, Universidad Federal de Río Grande del Sur

Doutorando em desenvolvimento rural (Universidad Federal de Río Grande del Sur) Analista da Embrapa Pesca e Aquicultura.

Sección
Artículo de reflexión

Resumen

La educación cooperativista nace con la propia idea de cooperativa. Esta organización tiene características particulares, en las que la cooperación se propone como alternativa a la competencia. Como uno de los pilares de sustentación del desarrollo cooperativo, la educación cooperativista es una necesidad explícita de ese tipo de organizaciones. Con esta intención, el objetivo de este trabajo es realizar una revisión de literatura acerca de este concepto.

1. Amodeo, N. B. P. (2006). Contribuição da educação cooperativa nos processos de desenvolvimento rural. In: Amodeo, N. B. P. e Alimonda, H. (org.). Ruralidades, capacitação e desenvolvimento. Viçosa: UFV.

2. Amodeo, N. B. P. (1999). As cooperativas agroindustriais e os desafios da competitividade. Dissertação (Doutorado em esenvolvimento, Agricultura e Sociedade) – CPDA, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro. https://revistaesa.com/ojs/index.php/esa/article/view/201

3. Argolo, A. C. M. (2002). A influência da educação cooperativista na gestão cooperativa: um estudo de caso da Cooperativa Mista Agropecuária de Ipirá. Dissertação (Mestrado em), Escola de Administração/UFBA. Salvador. http://www.adm.ufba.br/pt-br/publicacao/influencia-educacao-cooperativista-gestao-cooperativa-estudo-caso-cooperativa-mista

4. Argyris, C. (1992). Enfrentando defesas empresariais: facilitando o aprendizado. Rio de Janeiro: Editora Campus. https://www.estantevirtual.com.br/livros/chris-argyris/enfrentando-defesas-empresariais/1585178571

5. Argyris, C e Schon, D. (1978). Organizational Learning. Reading, MA: Addison-Wesley. https://www.amazon.com/Organizational-Learning-Addison-Wesley-Organization-Development/dp/0201001748

6. Cook, S. D. N e Yanow, D. (1993). Culture and organizational Learning. Journal of Management Inquiry, 2 (4). https://journals.sagepub.com/doi/10.1177/105649269324010

7. Desrochw, H. (2006). Sobre o projeto cooperativo:democracia, emancipação, ética. In: Thiollent, M. (org.). Pesquisa-ação e projeto cooperativo na perspectiva de Henri Desroche. São Carlos-SP: Editora UFSCAR.

8. Ferreira, P. R; Amodeo, N. B. P e Sousa, D. N. (2013). Os públicos atendidos e os conteúdos da educação cooperativista nas cooperativas agrárias. Revista Brasileira de Gestão e Desenvolvimento Regional, 9, 67-90. https://www.embrapa.br/pesca-e-aquicultura/busca-de-publicacoes/-/publicacao/959364/os-publicos-atendidos-e-os-conteudos-da-educacao-cooperativista-nas-cooperativas-agrarias

9. Fernandes, A. C. (1998). Conhecimento e aprendizagem organizacional em perspectiva. Rio de Janeiro: UFRJ. http://www.abepro.org.br/biblioteca/ENEGEP1999_A0995.PDF

10. Fiol, C. M e Lyles, M. A. (1985). Organizational learning. Academy of Management Review, 10, 803-13. https://journals.aom.org/doi/abs/10.5465/amr.1985.4279103

11. Fleury, M. T. L. e Oliveira, M. M. (2002). Aprendizagem e gestão do conhecimento. In: Fleury, M. T. L. (org). As pessoas na organização. São Paulo: Gente.

12. Fleury, A. e Fleury, M. T. L. (1995). Aprendizagem e inovação organizacional: as experiências de Japão, Coréia e Brasil. São Paulo: Atlas.

13. Fleury, M. T. L. (1983). Cooperativas agrícolas e capitalismo no Brasil. São Paulo: Global. https://biblat.unam.mx/es/revista/revista-brasileira-de-tecnologia-brasilia/articulo/fleury-mtl-cooperativas-agricolas-e-capitalismo-no-brasil-sao-paulo-global-editora-1983-152-p

14. Frantz, W. (2003). Educação para o cooperativismo: a experiência do movimento comunitário de base de Ijuí. In: Schneider, J. O. Educação cooperativa e suas práticas (pp. 59-108). Brasília: UNISINOS.

15. Frantz, W. (2001). Educação e cooperação: práticas que se relacionam. Sociologias, 3 (6), 242-264. http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1517-45222001000200011&script=sci_abstract&tlng=pt

16. Freitas, M. E. (2002). Cultura Organizacional: identidade, sedução e carisma? Rio de Janeiro: Editora FGV.

17. Garvin, D. A. (1993). Building a learning organization. Harvard Business Review. https://hbr.org/1993/07/building-a-learning-organization

18. Hendges, M. e Schneider, J. O. (2006). Educação e capacitação cooperativa: sua importância e aplicação. Economia Solidária e Ação Cooperativa (ESAC), 1 (1), 33-48. http://lemate.paginas.ufsc.br/files/2019/04/schneider.pdf

19. Martín, A. (2005). ¿La cooperativa es también una escuela humanista? Visión filosófica sobre la educación cooperativa. Irecus, Faculté d´administratión Université de Sherbrooke, Canadá.

20. Pinho, P. B. (2004). O cooperativismo no Brasil: da vertente pioneira à vertente solidária. São Paulo: Saraiva. https://books.google.com.co/books/about/O_cooperativismo_no_Brasil.html?id=VfQRAgAACAAJ&redir_esc=y

21. Pinho, P. B. (2003). A educação cooperativa nos anos 2000 valorizando a cidadania brasileira In: Schneider, J. O. Educação cooperativa e suas práticas. Brasília: UNISINOS.

22. Santos, F. E. G. (s/d). Educação cooperativista e organização do quadro social de cooperativas. SESCOOP-MG, Belo Horizonte.

23. Schneider, J. O. (1999). Democracia, participação e autonomia cooperativa. São Leopoldo: UNISINOS. https://www.martinsfontespaulista.com.br/democracia-participacao-e-autonomia-cooperativa-169109.aspx/p

24. Schneider, J. O. (2003). Pressupostos da educação cooperativa: a visão de sistematizadores da doutrina do cooperativismo. In: Schneider, J. O. Educação cooperativa e suas práticas. Brasília: UNISINOS.

25. Schein, E. (1993). On dialogue, Culture and Organizational Learning. Organizational Dynamics, 22 (2), 40-51. https://pdfs.semanticscholar.org/efa9/ec0543a130d263a337b9f75b121a8afe529e.pdf

26. Shinyashiki, G. T; Fleury, M. T. L. e Stevando, L. A. (1997). Arqueologia teórica e dilemas metodológicos dos estudos sobre cultura organizacional. In: Motta, F. C. P e Caldas, M. P. Cultura organizacional e cultura brasileira (273-292). São Paulo: Atlas.

27. Silva, N. (2001). As interseções entre cultura e aprendizagem organizacional. Revista Convergência, 26, 55-76. http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=10502603

28. Sousa, D. N; Pinho, J. B; Amodeo, N. B. P. e Milagres, C. S. F. (2013). A comunicação como ferramenta da educação cooperativista. Revista de Extensão e Estudos Rurais, 2, 57-78. file:///C:/Users/p.indesco.nal/Downloads/3295-15406-1-PB%20(2).pdf

29. Sousa, D. N; Amodeo, N. B. P; Macedo, A. S. e Milagres, C. S. F. (2014). A comunicação na articulação agroindustrial entre uma cooperativa central, suas cooperativas singulares e cooperados. Revista de Economia e Sociologia Rural, 52, 495-514. http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-20032014000300005

30. Stryjan, Y. (1994). Understanding Cooperatives: The Reproduction Perspective. Annals of Public and Cooperative Economics, 65 (1).https://onlinelibrary.wiley.com/doi/abs/10.1111/j.1467-8292.1994.tb01506.x

31. Valadares, J. H. (2005). Profissionalização da gestão cooperativista: modismo ou necessidade? Revista Universo, São Paulo, SP, ano 3, n. 16, p.66.

32. Valadares, J. H. (2004). Educação e comunicação cooperativista na cooperativa agrícola. Dourados, MS: IDECOOP.

33. Valadares, J. H. (1996). A Prática de Organização do Quadro Social nas Cooperativas Mineiras. Belo Horizonte: OCEMG/PNFC/INTERCOOP.

34. Valadares, J. H. (1995). Participação e poder: o Comitê Educativo na cooperativa agropecuária. Dissertação (Mestrado em Administração Rural). Universidade Federal de Lavras, Lavras/MG.

35. Watkins, W. P. (1989). Los princípios cooperativos hoy y manãna. Bogotá: ESACOOP.